14/07/2015

Eu vi: Cidades de Papel


Lançado em 9 de julho e dirigido por Jake Schreier, Cidades de Papel é o segundo livro de John Green que ganha adaptação para o cinema, sendo A Culpa é das Estrelas o primeiro. Não sei dizer se uma comparação entre os dois seria justa, creio que não, pois ambos possuem personagens cativantes, porém, claramente exploram coisas diferentes. Em Cidades de Papel,  Quentin (interpretado por Nat Wolff), é vizinho de uma garota misteriosa que ele acredita ser seu milagre. Seu nome? Margo, que é interpretada pela modelo Cara Delevingne. Apesar de serem totalmente opostos, eles eram  muito amigos na infância, só que com o passar do tempo, as coisas foram mudando e no último ano da escola, já perto da formatura,  eles parecem completamente desconhecidos. Mesmo assim, Q sente algo forte pela garota e não consegue deixar isso para trás. 


Um dia, Margo entra no quarto do garoto pela janela, ele fica totalmente surpreso, principalmente com o pedido de ajuda dela para realizar um plano de vingança, que envolve seu ex namorado e alguns de seus amigos.  A razão de tudo? Ela descobriu que estava sendo traída e resolveu se vingar de um jeito nada comum. É óbvio que Quentin aceita. Parece que nenhuma proximidade foi perdida, é surreal para Q, principalmente porque ele fica totalmente fora da sua zona de conforto e se diverte de verdade ao lado de Margo. 

No dia seguinte, nosso protagonista acredita que tudo vai ser diferente, mas ela simplesmente some. É aí  que ele acaba descobrindo que M deixou pistas, mas não pelo motivo que ele imaginava. Ele, Radar e Ben, formam um trio de amigos inseparáveis, cá entre nós, por mais que chame a atenção a situação de Quentin e Margo, o que realmente me cativou no filme, foi justamente esse trio, que se junta na busca e aproveitam seus últimos dias juntos antes de irem para diferentes universidades. Quem acompanha eles, além da namorada de Radar, é Lacey, uma das melhores amigas de Margo. 

Pelo menos na minha opinião, Ben e Radar dão um toque cativante e engraçado que se torna indispensável para o filme, não é  só "Margo, Margo, Margo e Margo", ela não é realmente como as pessoas enxergam, por mais que a causa de tudo tecnicamente seja o sumiço dela, no final da busca e principalmente no final do filme, percebemos que muito mais está envolvido, existem muitas outras questões, como amizade, escolhas, riscos, ilusões e prioridades. É um ótimo filme!



Veja a seguir o trailer:



Vale lembrar:

- Nat Wolff também faz parte do elenco de A Culpa é das Estrelas, ele interpreta o melhor amigo de Gus.

- O escritor esteve no Brasil recentemente, no Rio de Janeiro, com Nat Wolff, protagonista do longa e isso rendeu muitas entrevistas ótimas.

- É possível que mais um livro de John Green seja adaptado para o cinema, dessa vez "Quem é você, Alasca?"

Nenhum comentário:

Postar um comentário